domingo, 26 de fevereiro de 2012

Sol de Pando: El Che Existencial

Sol de Pando: El Che Existencial: Mientras cavilaba, Sartre llevó a sus labios un habano apagado; y entonces el Che activó su encendedor ofreciéndole un fuego que allí, a e...

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Apresentação sobre o Projeto de História Oral com pessoas afetadas pelas hidroelétricas no rio Madeira




VIDA ÀS MARGENS:
HISTÓRIA ORAL DE VIDA COM PESSOAS QUE VIVENCIAM A EXPERIÊNCIA DE IMPACTOS DAS HIDRELÉTRICAS NO RIO MADEIRA
MÁRCIA NUNES MACIEL
IEMAR ANTONIO FERREIRA
XÊNIA DE CASTRO BARBOSA
MARIA CRISTIANE PEREIRA DE SOUZA
ROSA MARTINS COSTA PEREIRA
RESUMO:
            O presente trabalho objetiva comunicar percepções resultantes do projeto de história oral em desenvolvimento junto a pessoas que compartilham experiências de impactos socioambientais resultantes da instalação do Complexo Hidrelétrico do Rio Madeira o qual visa a construção de quatro hidrelétricas na Bacia do Rio Madeira, possibilitando navegação fluvial que vai desde os rios Madre de Dios (Peru) e Beni (Bolívia) até o Oceano Atlântico. Tal projeto insere-se no conjunto de propostas de iniciativa para a integração da Infra-estrutura Regional Sul-Americana (IIRSA). Consideramos o Rio Madeira - no âmbito das pesquisas que vimos desenvolvendo junto ao Instituto Madeira Vivo (IMV) - um agregador de experiências capaz de promover a criação de comunidades de vida Meihy (2005), ou seja, de agrupamentos humanos que partilham uma memória coletiva e elementos identitários que favorecem sua organização/mobilização para enfrentar os desafios que vêm à tona com a implantação do Complexo Hidrelétrico. O principal objetivo da pesquisa que vimos desenvolvendo é compor um registro das experiências de vida e a partir dele criar um banco de narrativas que possa ser utilizado para pesquisas preocupadas em perceber a trajetória dessas pessoas, seus deslocamentos e interpretações antes e depois das barragens. Na atual fase da pesquisa temos percebido os processos de reinvenções de identidades e tradições reafirmadas nos contextos de suas relações coletivas e singulares, estabelecidas com o Rio Madeira e com as comunidades das quais fazem parte. Com a pesquisa foi possível perceber o fortalecimento político para organização e mobilização de suas bases, além da motivação de cada um que se dedica a difundir os problemas enfrentados pelas comunidades afetadas. Esse processo de autoconfiança se deu no exercício da memória e da história desses indivíduos que representam seus povos e comunidades, fenômeno que pode ser relacionado ao que Paul Ricoeur (2007), em sua obra A memória, a história, o esquecimento), denominou como potencialidades mnemônicas, que são da mesma ordem que as percorridas em O si mesmo como um outro (1998), e consiste na tomada de consciência do indivíduo enquanto capaz de se considerar autor de sua história, da autoconfiança mesmo na relação com outro.
PALAVRAS-CHAVE: História Oral; Rio Madeira; Identidade; Comunidade.
LIFE TO THE EDGES: VERBAL HISTORY OF LIFE WITH PEOPLE WHO LIVE DEEPLY THE EXPERIENCE OF IMPACTS OF THE HISDRÉLITAS IN THE RIVER WORKS WITH WOOD

ABSTRACT:
            The present objective work to communicate resultant perceptions of the verbal project of history in development next to people who share experiences of resultant partner-ambient impacts of the installation of the Hidroelectric Complex of the River Wood. This aims at the construction of four hydroelectric plants in the Basin of the River Wood, making possible fluvial navigation that goes since the rivers Madre de Dios (Peru) and Beni (Bolivia) until the Atlantic Ocean. Such project is inserted in the set of proposals of initiative for the integration of Infra-estrutura South American Regional (IIRSA). We consider the River Wood - in the scope of the research that we saw developing next to the Alive Institute Wood (IMV) - a agregador of experiences capable to promote the creation of life communities Meihy (2005), that is, of human groupings that partilham a collective memory and identitários elements that favors its organization/mobilization to face the challenges that come to tona with the implantation of the Hidroelectric Complex. The main objective of the research that we saw developing is to compose a register of the experiences of life and from it to create a bank of narratives that can be used for research worried in perceiving the trajectory of these people, its displacements and interpretations before and after the barrages. In the current phase of the research we have perceived the processes of reinvenções of identities and traditions reaffirmed in the contexts of its collective and singular relations, established with the River Wood and the communities of which they are part. With the research it was possible to perceive reinforcement politician for organization and mobilization of its bases, beyond the motivation of that if it dedicates to spread out the problems faced for the affected communities. This process of self-reliance if gave in the exercise of the memory and the history of these individuals that represent its peoples and communities, phenomenon that can exactly be related what Paul Ricoeur (2007), in its workmanship the memory, history, the esquecimento, called as mnemonic potentialities, that are of the same order that covered in itself exactly as the one another one (1998), and consists of the taking of conscience of the capable individual while of if considering author of its history, of the self-reliance in the relation with another one.
KEYWORDS: oral history; wood; identity; community;



Diante de tantos testemunhos, escolhemos um fragmento da narrativa de D. Neuzete, da comunidade Trata-Sério, reconhecida pelos envolvidos na luta contra as Barragens no Madeira como representante do grupo de atingidos pelas barragens. Neuzete fala incansavelmente em nome dos Povos do Madeira para situar o contexto da discussão apresentada neste artigo:
Neuzete Paulo Afonso.
49 anos, ribeirinha assumida de pai e mãe. É uma mulher corajosa e com muita senssibilidade. A maneira de se expressar a tornou referência na luta contra as barragens no Rio Madeira.
Nós não queremos sair de lá do nosso lugar! Nós não queremos dinheiro. Nós queremos o nosso terreno, queremos a nossa vida, o nosso mundo!
“Eu vou começar a contar a minha história de vida pelos meus, tataravós. Eles chegaram aqui na Amazônia em 1913 aí já vieram para cá, pra essa região do Madeira. Eram do Nordeste, de Apudi, vieram de lá como Soldados da Borracha. Assim foi indo, aí foi... Foi o tempo que foram morrendo meus tataravós, aí veio meus avós e continuaram o mesmo serviço aqui em Porto velho. Eles tinham um engenho. Aí do engenho foram indo, foram indo... Aí venderam Porto Chuelo, lugar que pertencia a nós da família Paulo Afonso! E nós subimos para onde estamos agora, no Trata-Sério.O Porto Chuelo é o lugar onde meus tataravós e avós, estão enterrados. Aí foi o tempo que teve muitos problemas, morreu muita gente da nossa família, devido, a cachoeira mesmo né! Às vezes eles cruzavam com a canoa e, às vezes, escapuliam, aí morriam.
Aí foi o tempo que meu tataravô morreu. Aí já era meu avô que tomou conta das coisas, já não era meus tataravós. Aí minha avó comprou este terreno lá em cima no “Trata - Sério”. Aí foi quando a gente estava lá que nós começamos a aumentar a família, mas os filhos da minha avó e meus irmãos mais velhos nasceram lá no Porto Chuelo. Os mais novos nasceram no Trata-Sério, eu e meus primos. Nunca dependemos do governo, sempre fomos mantidos por lá mesmo, porque a gente tinha nossa açúcar, nosso feijão, nós tinha tudo o que era necessário para viver. Porque lá dava muita praia antigamente e nós plantava tudo na praia. Hoje não sai mais praia no Rio Madeira, antigamente dava até preguiça de andar, era longe onde terminava a praia, era praia grande!Foi todo mundo criado e estudado lá, eu e meus primos. É!  Foi assim, que foi criada nossa família! E hoje nós nos sentimos ameaçados e nenhum de nós quer sair de lá, porque somos filhos de lá... Né! Nós não temos ambição de ganhar dinheiro, de pensar assim: “È a hidrelétrica vai comprar nossa terra, vamos vender tudo”. Não, não queremos dinheiro! Nós queremos nosso lugar, aonde está enterrado nossos entes queridos. Nós não queremos sair de lá! Mas, se for pra sair, porque pelo jeito vamos ter que sair mesmo! Queremos sair com dignidade né! Não do jeito que eles estão fazendo... Eles estão entrando na nossa casa e estão nos ameaçando! Tudo o que eu tenho é o lugar que minha mãe deixou na comunidade Trata-Sério do outro lado do rio Madeira. Esse Rio pra mim representa tudo! De tarde a gente senta perto do barranco e fica olhando os paus passando, a gente fica contando os paus, ó aquele ali é maior! Aquele ali é menor, entendeu! Aquele serve, aquele não serve. O Rio Madeira pra mim representa tudo! Tudo, tudo, tudo! Eu estou acostumada com a água do Rio Madeira. Quando ele está brabo, quando ele está manso. A gente é acostumado com ele! Apesar que ele já levou muitos da família e muitos amigos da gente né. Mas, a gente se acostumou com ele. Nascemos nele né!Todos nós que vivemos nas comunidades do outro lado do rio somos nascidos lá. Poucas pessoas que não nasceram no lugar onde vivem, como o Zé Riqueta, mas, ele tem mais pra cinqüenta anos que vive na localidade dele. Fora, ele todo o Ribeirinho é nascido no seu lugar na beira do rio. Porque ribeirinho, ribeirinho! Mesmo! É nascido no seu lugar! Porque se um ribeirinho disser que não é ribeirinho, tá mentindo! Porque lá todo ribeirinho é nascido no seu lugar, seja no Trata-Sério, ou nas outras comunidades do Alto Madeira, porque um casa com o outro, e é assim vão levando! Agora, assim, em assentamento não, mas o ribeirinho é ribeirinho mesmo! Não tem mistura! Teve alguns que casaram com indígena, mas eles eram da região mesmo. Eu, sou ribeirinha e não podia casar com outra pessoa, a não ser de lá. Todo mundo que nasceu na comunidade casou lá mesmo. Mas dizer assim: Não, o ribeirinho, chegou agora por essa região, não! É mentira! A história do ribeirinho vai muito longe, nós fomos os primeiros a chegar em Rondônia, pra agora sermos expulsos!?”
            A comunidade Trata Sério onde vivia D. Neuzete foi deslocada, alguns ficaram na vila agrícola construída pela empresa Santo Antônio Energia, outros estão em bairros da cidade de Porto Velho ou em chácaras, com suas vidas despedaçadas, reunindo suas forças para restabelecer seus projetos e identidades. D. Neuzete vive numa pequena chácara onde ela construiu uma casa no mesmo modelo da que ela tinha na sua comunidade, como se tivesse transposto a mesma casa de um lugar para outro. Era uma pessoa alegre, agora vive com tristeza no olhar, sentido-se só por não ter ficado junto com os demais de sua comunidade. Antes, na Comunidade Trata Sério, o Rio Madeira e a floresta, cada canto, cada castanheira alimentava seu imaginário cultural e sua história. Agora sua vida reduziu-se ao espaço da casa e do terreiro como se o rio da sua vida tivesse secado.
            O projeto de História Oral: Vida às Margens do Rio Madeira: História Oral de Vida com Pessoas que vivenciam experiências de impactos das Hidrelétricas no Rio Madeira, vem registrando experiências como a de D. Neuzete e por esse motivo no titulo do artigo enfatiza-se o enunciado Vida às Margens por se tratar de uma percepção do deslocamento das famílias das margens do rio para as margens sociais, tendo em vista que perderam seu espaço físico e simbólico, separados de suas comunidades afetivas com suas vidas desestruturadas.
            No decorrer da pesquisa ela foi organizada em três frentes de trabalho, o da realização das entrevistas no contexto da vivência de campo, o trabalho textual das entrevistas para a composição de uma coletânea de narrativas e a produção de artigos para apresentação em eventos acadêmicos. Essas três frentes estão interligadas e primam por destacar as imagens das memórias expressas nas narrativas apreendidas por meio da história oral, e as imagens dos lugares físicos, simbólicos e culturais relacionados ao Rio Madeira. No conjunto desse registro temos dez entrevistas gravadas, três entrevistas filmadas e algumas imagens fotográficas. As entrevistas gravadas em áudio foram digitalizadas e junto com as gravadas em áudio-visual fazem parte do arquivo virtual do IMV, desse total de entrevistas duas estão prontas, passaram por todo o processo de trabalho textual de acordo com os procedimentos de história oral que adotamos: Entrevista, Textualização e Transcriação Meihy (2005) e as demais estão em fase de transcrições.
            Para entender a construção das narrativas em história oral é necessário levar em consideração o contexto das entrevistas percebido no trabalho de campo e o processo metodológico da elaboração textual. Desse modo, percebemos como necessário explicar alguns procedimentos metodológicos e posicionamentos teóricos que norteiam nosso trabalho.
Os procedimentos tomados para a realização das entrevistas foram:
a) Escolha da Colônia. Colônia é o grupo a ser estudado, neste caso, pessoas atingidas pela construção do Complexo Hidrelétrico do Rio Madeira, residentes tanto em área ribeirinha quanto na cidade de Porto Velho.
b) Formação das Redes. Redes são subdivisões da colônia que indicam os critérios adotados para a escolha das pessoas a serem entrevistadas, tais como: faixa etária, sexo, gerações, grau de escolaridade, entre outros. Optamos por trabalhar com duas redes, uma constituída por homens e outra por mulheres, valorizando as percepções específicas de cada gênero. Antes de formarmos as redes estabelecemos contato com os líderes das comunidades a serem estudadas.
c) Pré-entrevista. Momento no qual se apresenta, em linhas gerais, o projeto de pesquisa para os colaboradores, se elucida os procedimentos, a necessidade de utilização de equipamentos eletrônicos para gravação de voz ou voz e imagem, bem como se agenda datas, horários e os locais onde serão gravadas.
d) A Entrevista, propriamente dita, é realizada com o consentimento do colaborador, e no caso destes projetos que estamos desenvolvendo junto ao IMV, que visam à subjetividade e as experiências de vida dessas populações, não houve um roteiro de perguntas a ser seguido. Estas foram feitas na medida em que percebemos necessário aprofundar alguma questão mencionada pelo narrador.
e) Transcrição. Este termo refere-se ao trabalho de passagem literal do oral para o escrito incluindo os “erros” de Português, repetições, gírias, expressões regionais e marcadores conversacionais que caracterizam a oralidade.
f) Textualização. Compreende o esforço de dar à entrevista um caráter de texto, fluido, inserindo perguntas e respostas em uma narrativa direta e que favoreça a leitura. Nesse momento, o que temos não são mais entrevistas, e sim textos abertos a múltiplas interpretações.
g) Conferência. Momento em que o pesquisador lê a narrativa resultante da entrevista para seu colaborador, a fim de receber autorização para seu uso, ou o entrega para que ele mesmo leia. O processo que compreende todo o conjunto de procedimentos, desde o projeto até a construção das leituras, é denominado Transcriação.
Para Alberto Lins Caldas a totalidade do processo de construção de narrativas em história oral é denominada “Transcriação Hermenêutica” e indica uma “concepção e visão de mundo, não somente de como se produz um texto, mas sobre o fundamento da própria realidade [...] (CALDAS, 1999: 107). Esse processo implica em compreender e modificar tal realidade. De acordo Fabíola Holanda Barbosa (2006), tal “concepção e visão de mundo” exige uma busca mais radical pelo colaborador e suas experiências, e à medida que nos vemos mais próximos dele, nos distanciamos do “tema” motivador da pesquisa. Isso ocorre porque ao nos colocarmos em diálogo com o outro, vemos que ele extrapola, com sua vivência, qualquer categoria, rótulo, rede ou comunidade de destino. No encalço desse posicionamento, Xênia Castro Barbosa (2009) ressalta que a Transcriação corresponde ao trabalho de transpor em texto escrito o que foi dito verbalmente, mas não apenas o que foi dito “palavra por palavra”, literalmente: é preciso incluir os significados dos gestos, das lágrimas, das pausas e mesmo o sentido que o narrador quis passar com determinadas frases ou reticências.
Dessa forma, transcriamos “teatralizando o que foi dito, pois, recriando-se a atmosfera da entrevista, procura-se trazer ao leitor o mundo de sensações provocadas pelo contato, e como é evidente, isso não ocorreria reproduzindo-se o que foi dito palavra por palavra”. [...]. tem como fito trazer ao leitor a aura do momento da gravação. [...] O fazer do novo texto permite que se pense a entrevista como algo ficcional e, sem constrangimento, se aceita esta condição no lugar de uma cientificidade que seria mais postiça. Com isso valoriza-se a narrativa enquanto um elemento comunicativo prenhe de sugestões”. Meihy, (2005)
A idéia de transcriação, entendida como aquilo que perpassa todo o processo de constituição das narrativas em história oral deu forma às histórias de vida que registramos ao longo de nossos estudos, todavia, é preciso enfatizar que os princípios de Colaboração, Mediação e Devolução Mehy, (2005) também estiveram presentes. Esses princípios estabelecem nova relação entre “pesquisador-pesquisado” (muitas vezes chamado de informante e depoente). De um modelo verticalizado, passa-se a um modelo de relação em estrutura horizontal, no qual os sujeitos envolvidos na pesquisa se relacionam de forma dialógica e se empenham em co-laborar para a construção de um registro de experiências e torná-lo público. Não se trata mais da relação sujeito-objeto, mas da relação sujeito-sujeito. Com a Colaboração, o pesquisador toma para si a responsabilidade de ser o mediador da pesquisa, de ser aquele que busca as melhores condições para o diálogo, e o instiga com sua capacidade de ouvir, silenciar, perguntar. E o entrevistado deixa de ser simples informante ou “objeto de pesquisa” para ser o que trabalha junto, o que co-labora.
Cabe destacar que o processo de colaboração com as pessoas que se envolveram na pesquisa se deu aos poucos, no contexto das ações políticas junto às comunidades atingidas: reuniões, seminários, ida às comunidades, assim como no ouvir, no compartilhar os sentimentos dos atingidos, no atravessar o Rio Madeira, na vivência, no cafezinho, no preparo e consumo coletivo dos alimentos, na disposição coletiva de defesa de um rio e seus povos.
O resultado dessa relação não pode ser outro senão a devolução, o retorno do material produzido para os grupos ou indivíduos que trabalharam conosco na elaboração desse material – o que representa um primeiro passo para uma história pública, que considera as experiências de uma coletividade e a expande para além dos muros da Academia.
            Até aqui procuramos responder a duas perguntas: história oral de quem e como? A partir de agora nos aventuramos a dissertar sobre por que escolhemos fazer história oral.
A razão dessa escolha encontra-se no fato de que por meio da história oral podemos tomar conhecimento de vivências e saberes aos quais de outra forma não teríamos acesso, e justifica-se também pelo que ela tem de mais precioso: a subjetividade. Essa característica é o que a torna singular. De acordo com Portelli (1997) o que a torna diferente é o fato de contar mais sobre “significados” do que sobre “eventos”. O que as narrativas gestadas pela história oral “contam” diz respeito, principalmente, à subjetividade de seus narradores, à subjetividade do grupo do qual fazem parte, ao tempo em que vivem. São narrativas historicamente datadas e referenciadas em contextos sociais específicos, tecidas pela memória e pelo desejo, portanto, onde estão presentes não só “fatos históricos”, mas também as fantasias, os sonhos, as mentiras, os silêncios e os esquecimentos. Essas narrativas não são o “acontecido”, mas uma versão – nem melhor nem pior: única, - de vivências filtradas pela experiência e pelo tempo, conforme, Barbosa, (2009).
            As entrevistas realizadas evidenciaram o processo de formação política das pessoas entrevistadas, como elas se constituíram dentro do contexto cultural e social de suas comunidades, assim como, suas indignações em relação ao projeto hidrelétrico no Rio Madeira. Apesar de prevalecer em algumas entrevistas o discurso político/militante, também fluíram lembranças da vida cotidiana de cada colaborador e expectativas para o futuro.
O trabalho de História oral aliado a atuação política junto a luta pelos direitos das comunidades afetadas pelas Hidrelétricas no Rio Madeira, permitiu percebermos a dimensão histórica, cultural, política e simbólica de viver às margens do Rio Madeira. Nas margens do Rio Madeira e seus afluentes que interligam a vida de comunidades, várias populações se formaram, indígenas e não indígenas. Atualmente existem comunidades formadas por ex-seringueiros, pescadores tradicionais, indígenas e agricultores de várzea. Essas comunidades que se encontram na área da construção das hidrelétricas construíram um modo de vida específico e uma história, que não é considerada no processo de negociação de suas terras. Sua riqueza cultural não consta no Relatório de Impacto Ambiental - RIMA, além do que, não é dado a elas o direito de permanecer no lugar que tradicionalmente habitavam. Diante dessa situação houve um conflituoso processo de reafirmação de identidade. É nesse processo que indivíduos passaram a ser reafirmar como “ribeirinhos de pai e mãe”, seja para resistirem em sair dos seus lugares, seja para garantir o direito à indenização de suas terras.
            O empreendimento denominado Complexo Hidroelétrico do Rio Madeira projetado pelo consórcio formado pela empresa estatal Furnas e a construtora Odebrecht, orçada em 20 bilhões de reais (cerca de 10 bilhões de dólares), inclui a construção, na Amazônia Brasileira, das hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, uma terceira hidrelétrica no rio Madeira, no trecho entre Abunã, no Brasil, e Guayaramerín, na Bolívia; e uma quarta hidrelétrica na Cachoeira Esperanza (em fase de licenciamento pelo governo boliviano), localizada no Rio Beni, 30 km acima da sua confluência com o Rio Mamoré, no Departamento de Pando, Bolívia. Esses empreendimentos (barragens e hidrovia) afetam de inúmeras formas a vida de milhares de pessoas deslocadas de seus espaços, às margens ou fora da área de alagação, mas que permanecem às margens do Rio Madeira e de sua bacia hidrográfica adentrando as fronteiras dos países atingidos diretamente como a Bolívia e o Perú pelo rio Madre Diós.
            A definição Povos do Madeira é construída no decorrer do processo de organização política de pessoas que se sentem atingidas pelas barragens no Rio Madeira. Na relação de conflito entre os segmentos sociais formados por ribeirinhos, seringueiros, indígenas e urbanos, envolvendo movimentos e organizações sociais, do campo e da cidade, aos poucos os atores desses diferentes segmentos sociais foram assumindo essa definição, que delimita uma fronteira entre governos e empresas que representam o projeto hidrelétrico e os segmentos sociais e povos que se sentem atingidos por esses empreendimentos.
            O sentimento de identidade presente nesses povos, grupos e segmentos sociais se dá pelo compartilhamento de uma história em comum, percebido no Encontro Sem Fronteiras dos Povos do Madeira - Uma Outra Amazônia é Possível. Um debate realizado em Porto Velho em janeiro de 2009 pautou discussão de temas a serem levadas ao Fórum Social Mundial realizado em Março de 2009 em Belém do Pará. Nesse encontro estiveram representadas lideranças de comunidades, instituições não governamentais, movimentos sociais, povos de países impactados pelo Complexo do Madeira, a saber: povos do Brasil, Bolívia e Peru.
Durante a troca de experiência entre ribeirinhos, indígenas, campesinos, citadinos, jovens, mulheres e homens, bolivianos, brasileiros e peruanos, o ponto em comum foi uma história de perdas e desvalorização cultural, ambiental, de saberes, fazeres e histórias de lutas dos povos sem fronteira do Madeira, aliados na defesa de suas culturas, lugares, modos de vida e histórias.
Essa aliança se fortaleceu na vivência coletiva do Fórum Social Mundial – 2009, onde, ribeirinhos, indígenas, seringueiros e urbanos da comitiva formada em Rondônia por brasileiros, bolivianos e peruanos uniram suas histórias, vozes e forças, para gritar “Sim para a vida não para a morte”, “Viva o rio madeira vivo”, “Sem barragem o rio corre”,“ Não às barragens no Rio Madeira” no intuito de serem ouvidos pelo mundo e na esperança de parar as obras que na época haviam se iniciado na cachoeira de Santo Antônio, causando o deslocamento das comunidades que se encontravam no canteiro de obras e a morte de milhares de peixes. No intuito também de mostrar outra versão do referido empreendimento, diferente da vinculada pela mídia, chamando a atenção para suas indignações e reivindicação de seus direitos.
Foi possível perceber que a “autenticação” do testemunho das pessoas no Fórum Social Mundial – 2009 se deram por meio da aceitação e compartilhamento das narrativas de quem recebia o testemunho. Na troca de experiências entre pessoas que representavam as populações tradicionais - e que tem em comum a ameaça da perda de seus espaços territoriais ocupados historicamente, por causa de projetos desenvolvimentistas que não consideram seu pertencimento àqueles espaços, tampouco as formas de vida e sociabilidade que nele desenvolveram - os testemunhos foram acreditados, porque houve um compartilhamento da experiência de resistência. Foram considerados autênticos porque os que o ouviram também vivenciaram/vivenciam experiências semelhantes, portanto, mostram-se sensíveis e solidários ao demais “testemunhantes”. Esse clima de identificação e partilha de histórias fortaleceu os vínculos entre os diversos segmentos da sociedade presentes no Fórum, e conseqüentemente, fortaleceu suas lutas. Conforme percebemos na atuação dos representantes dos Povos do Madeira depois do retorno para suas comunidades. O testemunho a que nos referimos, está relacionado à concepção ampla de testemunhos da história que não estão restritos aos documentos de arquivos. Ou seja, testemunho como narrativa composta por denúncias e reivindicações pautadas no contexto da vida de pessoas e grupos, em suas memórias e identidades. Os testemunhos dados no Fórum expressaram verbalmente as experiências vividas empiricamente pelos narradores, o que caracteriza tais narrativas como “testemunho” e não “simples descrições”.
Com a efetivação do deslocamento das famílias de seus lugares, percebemos que se instauraram dois movimentos no processo de construção das Hidrelétricas, o de negociação e o de denuncia. Embora, haja ampla divulgação das obras de compensação das empresas hidroelétricas destacando benefícios as comunidades afetadas, são construídos espaços alternativos que remam contra a correnteza da destruição ambiental e cultural da Amazônia e possibilitam que as testemunhas dessa realidade assistida ou vivida de direitos desrespeitados, sejam ouvidas e creditadas, as quais contradizem o discurso oficial.
Do processo de organização política surgiram algumas lideranças que passaram a fazer parte de uma resistência aos empreendimentos desenvolvimentistas na Amazônia, em especial a construção de Hidrelétricas em outros rios da Amazônia. As lutas em comum entre os representantes indígenas, seringueiros, povos que vivem às margens dos rios referem-se à garantia de seus territórios, o respeito a suas vidas e culturas. Nos diferentes espaços de lutas esse compartilhamento de histórias de resistências consolidou a aliança dos Povos da Amazônia que repercute no fortalecimento político de cada segmento, voltados para as suas particularidades e ao mesmo tempo, para a luta compartilhada entre povos e grupos diferentes.
Apesar das incompatibilidades de forças entre os que representam os projetos desenvolvimentistas na Amazônia e os que defendem um desenvolvimento sustentável há a construção de espaços de lutas e resistências que pouco a pouco ganham eco e são acreditados. Essa efetivação é possível porque são espaços criados para que ela se realize, como por exemplo, os meios de comunicação alternativos que representam espaços de resistência e dão lugar para as vozes que destoam das que dizem que minorias devem se sacrificar em nome de interesses desenvolvimentistas, nacionais e internacionais.
Nos testemunhos que ouvimos a partir da relação estabelecida com as comunidades atingidas pelas barragens no Rio Madeira, não está presente apenas as denúncias e reivindicações, mas também, a narração de uma memória dos lugares em que vivem suas histórias e identidades. Ao testemunharem sobre os problemas enfrentados por suas comunidades, assumem um discurso coletivo e atualizam uma memória coletiva. Na disputa do espaço territorial entre as populações tradicionais e os projetos desenvolvimentistas, as populações tradicionais recorrem à história e aos saberes herdados de seus antepassados.
A memória coletiva, neste caso, não isenta a memória individual, pois à medida que o indivíduo assume-se como parte de uma coletividade, toma para si a história dessa coletividade, e ao mesmo tempo em que é legitimado por ela, a legitima, dialeticamente. A individualidade está na maneira como cada indivíduo assume para si um discurso, uma memória e identidade coletiva.
Entre os indígenas, quilombolas e demais populações que vivem próximo às margens de rios, o problema em comum entre elas é o empreendimento de construções de hidrelétricas. Esses projetos desagregam e desestruturam culturalmente e ambientalmente as comunidades afetadas. Segundo o testemunho dos representantes de comunidades que estão lutando contra as construções de hidrelétricas, como no caso dos Povos do Madeira, o desenvolvimento desses projetos hidrelétricos e hidroviários comprometem suas vivências culturais, suas tradições, relações sociais e com o meio-ambiente, e até a própria subsistência física, já que grande parte dessa população que vive nas margens dos rios retira dele seu sustento e o de sua família, seja por meio da pesca, seja mediante a fertilização da terra para a produção de várzea.
Deslocados de seus lugares e separados de suas comunidades afetivas, procuram reafirmar suas identidades por meio de suas memórias ressentidas que transparecem o sentimento de perda, atualizados no ato de narrar. Partindo da perspectiva de que o passado existe somente como presente atualizado no ato do falar, do narrar, é possível afirmar que o presente é a fonte do tempo instaurador da memória. Quando os indígenas e demais povos e populações fazem a exposição de seus problemas partem do tempo presente para retomar um tempo passado. Esse movimento de deslocamento temporal, num constante ir e voltar faz parte da constituição da memória. A partir de Michel de Certeau (1994) é possível afirmar que no ato do eu que fala instaura-se o tempo presente, tempo da memória organizado numa temporalidade que estabelece o antes e o depois da memória narrada, e “a existência de um “agora” que é presença no mundo.” (CERTEAU, 1994: 96).
A memória é o campo do presente. A movimentação desse tempo desobstrui a imobilidade de um vivido, tornando o presente mais do que um “atualismo”, um constante desdobrar, que é a re-significação do próprio sujeito.
As disputas do espaço na Amazônia entre as perspectivas de desenvolvimento capitalista e as práticas de desenvolvimento alternativo, fez com que muitos habitantes desse espaço se desagregassem de seus mundos culturais, e por uma inversão dessa problemática, alguns povos e populações se impulsionaram na busca de um fortalecimento identitário para a reivindicação de seus territórios ocupados historicamente.
Esse movimento de busca e reafirmação de identidade pode ser aliado à discussão sobre etnicidade e modernidade. Pesquisadores da Teoria da Etnicidade a vêem como um fenômeno universalmente presente na época moderna. Segundo eles, esse fenômeno se dá, “precisamente por tratar de um produto do desenvolvimento econômico dos Estados-nações”. (POUTIGNAT, FENART, 1998: 27). É nesse sentido, que a busca de reafirmação de identidade dos diversos povos e populações que vivem na Amazônia corresponde com o processo de reafirmação de etnicidade.
Vale ressaltar que o conceito de grupo étnico abrange todos os grupos sociais, e tendo em vista que “existem apenas pela crença subjetiva que têm seus membros de formar uma comunidade e pelo sentimento de honra social compartilhado por todos os que alimentam tal crença”. (POUTIGNAT, FENART, 1998: 38), entendemos que esses grupos étnicos são construídos historicamente e estão em um constante processo de reformulação.
Dessa maneira, um grupo de pessoas que ocupam historicamente um espaço nas margens de um rio pode ser visto como grupo étnico, desde que compartilhem um sentimento de “honra social”, que possuam objetivos e trajetórias em comum, bem como uma memória coletiva e reconhecimentos identitários. Um grupo com tais características possui legitimidade para reivindicar a permanência em seus territórios e liberdade para o exercício de suas práticas culturais, movimento desencadeado pelas comunidades que estão na área de construção das hidrelétricas do Madeira.
A reafirmação da identidade ribeirinha baseada numa história comum de deslocamento, sofrimentos em comum e reinvenções das origens e identidades os consolidam como grupo étnico e a partir dessa identificação – que diz respeito ao modo como se vêm, mas também ao modo como são vistos por outros - fortalece suas lutas sociais.
Por meio da aproximação com os representantes dos Povos do Madeira e com outros representantes de comunidades, com quem tivemos a oportunidade de dialogar, percebemos em suas atuações o impulso por se dizerem e fazer conhecida as realidades por eles vivenciadas. Nesse impulso, um “eu” instaura uma memória individual, contudo, esse eu não é remetido a um individualismo, mas a uma ação simultânea com o mundo onde está inserido. Essa ação envolve o sujeito e sua vivência social, num jogo de criar e recriar uma imagem simbólica de si e de seu mundo.
REFERÊNCIAS

BARBOSA, Fabíola Holanda. Experiência e Memória: A palavra cantada e a palavra contada de um Nordestino na Amazônia. São Paulo: FFLCH/USP, 2006.
BARBOSA, Xênia de Castro. Experiências de Moradia: história oral de vida familiar. São Paulo: FFLCH/USP, 2009. (Dissertação de Mestrado).
CALDAS, Alberto Lins. Oralidade texto e história: Para ler a história oral. Loyola. 1999.
CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1994.
MEIHY, José Carlos Sebe. Manual de História Oral. São Paulo: Loyola, 2005.
PORTELLI, Alessandro. A Filosofia e os Fatos: Narração, Interpretação e Significado nas Memórias e nas Fontes Orais. Rio de Janeiro: Vozes, v.1, n.2, 1996.
__________, O que faz a história oral diferente. São Paulo: Projeto História, São Paulo, n.14, fev. 1997.
RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas, SP: Unicamp, 2007.
POUTIGNAT, Philippe. FNART, Estreiff. Teorias da etnicidade. São Paulo: UNESP, 1998. 
CSF. Efeitos de projetos de infra-estrutura de energia e transportes sobre a expansão da soja na bacia do rio Madeira, Conservação Estratégica SÉRIE TÉCNICA 7 maio de 2007.
IRN. The Amazon under Threat: Damming the Madeira, 2006, disponível em:
 HYPERLINK "http://www.irn.org/pubs/factsheets/madeira/MadeiraFact.pdf"http://www.irn.org/pubs/factsheets/madeira/MadeiraFact.pdf#search=%22jirau%20and%20santo%20Antônio%22
CSF. Efeitos de projetos de infra-estrutura de energia e transportes sobre a expansão da soja na bacia do rio Madeira, Conservação Estratégica SÉRIE TÉCNICA 7 de maio de 2007, 65p.
 WWF. Beni Savanna. Review in process, 2006, disponível em:  HYPERLINK "http://www.worldwildlife.org/wildworld/profiles/terrestrial/nt/nt0702_full.html"http://www.worldwildlife.org/wildworld/profiles/terrestrial/nt/nt0702_full.html



¹ Pesquisadora do NEHO/USP/IMV- Instituto Madeira Vivo, doutoranda em História Social/USP.
² Pesquisador do IMV. Mestre em Desenvolvimento Social/UNIR.
³ Pesquisadora do Núcleo de Estudos Históricos e Literários do IFRO. Colaboradora do IMV, Mestre em História Social/USP.
4  Colaboradora do IMV, Mestre em Geografia/UNIR. 
 Pesquisadora do Grupo de Estudos em Educação, Pesquisa e Tecnologias – GET/IFR0, Colaboradora do IMV, Mestre em Geografia/UNIR.

 A foto de registro da mortandade de peixes causada pelo inicio da obra da UHE de Santo Antônio, em Porto Velho, foi  divulgada no Boletim Informativo. Edição Especial – março de 2009. Da nova Cartografia Social da Amazônia.

 As plantações de várzea são feitas nas praias as margens dos rios, formadas depois que a água do rio desce. 










 PAGE   \* MERGEFORMAT 15




quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Ação: Movimento Bazeiro - Campanha: O Triângulo Não Morreu!

Sábado dia 11 de Fevereiro o Movimento Bazeiro se encontrou pela manhã para preaparar o material de intervenção política e cultural em apoio aos direitos socio-ambientais - Em devesa da vida!
A imagem que nos deparamos foi de desestruturação: casas, vidas ameaçadas e máquinas trabalhando na tentativa atrasada de impedir que tudo se desbarranque de vez.
Mesmo que as árvores e as pessoas estejam sendo arrancadas de seus lugares em nome de um progresso de morte... Nós nos reergueremos e continuaremos na luta pelos direitos humanos...
Trabalho coletivo em solidariedade aos moradores do bairro Triângulo.

 Tudo por águas a baixo!
...  Mas a arte de criar a vida e resistir permanece! Não ficaremos calados!
Que desenvolvimento é esse?
D. Nega não desiste de cuidar das suas plantas e criações que não pode levar com ela para o Hotel que se tornou para a maioria que foi obrigada a sair de suas casas, um campo de concentração, pois suas vidas foram interrompidas. D. Francisca (abaixo), uma das pessoas que foi levada para hotel, chora porque não tem onde fazer um bolo e reunir sua família par cantar os parabéns para sua filha que completará 08 anos de idade... Mas ainda assim falou com a responsável pelo hotel para ver se consegue um cantinho... Isso é uma violência!!!


Ação com os moradores!

A persistência pela vida e por permanecer no seu mundo!
Sem rumo... sem respostas... Com seu terreno caindo sua casa está ameaçada, mas ele não teve o direito assegurado de ter sua vida salvaguardada... De quem é a omissão?

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Triste, triste, muito triste...

 Casas condenadas
 desmontadas
 Seus donos foram obrigados a abandonar suas casas para salvar suas vidas físicas, mas deixam sua história, seu canto, suas plantas, seu espaço afetivo para trás.
 pedaços deixados para trás
 desmoronamentos de vidas
 moradora indignada pede providência das autoridades
 Vidas empacotadas
 deslocamentos forçados
 movimentos de carros de mudanças no bairro
 Caminhões à espera de mudanças
 No silêncio de suas casas ameaçadas embalam suas vidas, muitos estão desnorteados sem acreditar que tudo isso está acontecendo. 

Hoje depois do programa: Vozes da Amazônia, eu e Iremar fomos ver de perto a situação de calamidade vivida por familias no bairro Triângulo, um bairro histórico da cidade de Porto Velho formado por ex trabalhadores da Ferrovia Madeira Mamoré, os Barbadianos, composto por diferentes famílias que matem a identidade e religiosidade de suas tradições e por familias ribeirinhas que viviam em espaços de seringais que se deslocaram para a cidade na decada de 60 após a decadência da borracha. Esse bairro atravessado pela estrada de ferro e as margens do rio madeira está condenado a ter grande parte dele desmoronada. Ao caminhar pelos trilhos da ferrovia nos deparamos com casas desocupadas, marcadas com um X vermelho como sinal da sua condenação ao desaparecimento. Seus moradores foram levados para hotéis, suas coisas para um depósito, os gatos, os cachorros, as galinhas, os pintinhos foram deixados. Ainda há algumas famílias empacotando a mudança, do outro lado dos trilhos os moradores estão inseguros, não sabem se suas casas também serão comprometidas. Ao caminhar em frente as casas percebíamos a preocupação das famílias, as conversas eram sobre a tristeza de ver seus vizinhos sendo obrigados a saírem de suas casas, as imagens das casas penduradas no barranco nos choca, o olhar das pessoas é de tristeza, desconçolo, alguns nos comprimentam e dizem: "que triste né?" É só isso que conseguimos sentir tristeza, indignação. Para mim que nasci naquele bairro, andei por aqueles lugares, corri e pulei nos trilhos, conheci pessoas, fiquei com o choro entalado na garganta... Tenho chorado com todas essas cenas desde quando nossos amigos ribeirinhos do outro lado rio Madeira tiveram suas casas derrubadas pela empresa hidrelétrica, mas apesar da dor compartilhada com quem está vivendo esse pesadelo real, eu sei que  a dor deles é maior, quem tem sentido mais são os idosos. Uma senhora nos disse que nem dorme mais com tanto medo de desmoronar tudo, outra enquanto arruma suas coisas para ser retirada da sua casa desabafa sua angustia por estar saindo de sua casa que construiu com sacrificios e agora sair sem nenhuma garantia de ter outra casa que corresponda a sua. Diante de tantas perdas os moradores pedem providências do ministério público federal.